sexta-feira, 31 de julho de 2009

C.S Lewis e a imaginação

*TODAS AS FRASES EM ITALICO FORAM RETIRADAS DO LIVRO O IMAGINÁRIO EM AS CRÔNICAS DE NÁRNIA.*

"O leitor interessado na obra de C.S Lewis vai deparar com discussões que o conduzirão a um enfrentamento intelectual."

Essas são palavras do Mestre e Doutor em Lingüística João Batista Costa Gonçalves no prefácio do livro "O imaginário em as Crônicas de Nárnia" do Pastor Professor Advogado e Mestre em Direito Público Glauco Barreira Magalhães Filho.

Ler C.S Lewis é uma aventura, é um convite a abrir a mente. Verdadeiramente nada fácil, mas é um desafio que eu digo sim !

C.S Lewis foi poeta, filósofo, apologista cristão, escritor, professor e crítico literário. Embora polígrafo – escreveu sobre filosofia, poesia, crítica literária, literatura fantástica e ficção científica –, foi sua produção no campo da literatura fantástica que mais ganhou destaque. Através de figuras tradicionais dos contos infantis, o evangelho pode ser apresentado às crianças.

Utilizando-se de imagens oriundas da mitologia grega e nórdica, e dos contos de fadas, Lewis sempre procurou transmitir os valores cristãos em seus escritos. Foi grandemente influenciado pelas obras de George MacDonald, que escreveu sobre a importância da fantasia, e G.K Chesterton, que destacou a influencia moral positiva dos contos de fadas. Tanto MacDonald como Chesterton sempre professaram a fé em suas obras.

Lewis foi ainda amigo pessoal de J.R.R Tolkien, autor da conhecida obra O senhor dos aneis, adaptada também para o cinema. Tolkien pertencia aos Inklings, um grupo de catedráticos que discutia filosofia, literatura e mitologia, ao qual Lewis também se associou, em 1939.

O Pastor Glauco conta na introdução do livro algo que se Lewis estivesse vivo, certamente diria: missão cumprida. O Pastor conta que quando assistiu ao desenho O leão, a feiticeira e o guarda-roupa , ainda não era cristão mas a mensagem cristã subliminar contida no desenho entrou no inconsciente e passou a integrar o conjunto de fatores implícitos que contribuíram para conduzi-lo a Cristo. Isso é sem dúvida um acontecimento maravilhoso!

A seguir pretendo elaborar uma síntese das ideias contidas no livro do Pastor Glauco, mas especificamente nas palavras que compõem apenas a introdução.

A ciência tenta explicar a fé, muitos levantam argumentos contra o cristianismo, procuram refutar as doutrinas cristãs com argumentos que presumem ser racionais, mas a realidade é que as necessidades mais profundas do ser humano não podem ser traduzidas em linguagem científica. As respostas que estão ao alcance da razão não são satisfatórias. A Bíblia traz promessas que devem ser recebidas por fé. Elas falam de um suprimento espiritual que só pode ser comunicado por figuras e metáforas, ou seja, pela transposição o sentido literal de uma palavra para o sentido figurado.

A imaginação faz parte do homem, muitas pessoas tomam decisões com base em pensamentos como: imagine só se tal coisa acontecesse... ou, estava imaginando como seria a minha vida se eu tivesse feito tal coisa... e assim por diante. O ser humano é um ser imaginativo e por isso que dentro das igrejas a pregação precisa ser acompanhada mais pela imaginação do ouvinte do que pela razão. Cresceríamos muito, penso eu, se os pregadores entendessem que pregar o evangelho envolve também a tentativa de despertar a criança adormecida em cada pessoa. Podemos nesse sentido lembrar-se da passagem de Mateus 18.3: "e disse: Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus" e também Lucas 18.17 "Em verdade vos digo que, qualquer que não receber o reino de Deus como criança, de modo algum entrará nele."

O Pastor Glauco trás em seu livro uma fala interessantíssima de Lewis: "O homem imaginativo em mim é mais velho, mais continuamente ativo e, nesse sentido, mais fundamental que qualquer um dos outros, o religioso e o crítico. [...]. Também é claro que foi ele quem me levou, nos últimos anos, a escrever a série de contos narnianos, destinados às crianças; não porque eu estivesse preocupado com o que elas queriam ouvir, ou que me comprometeria a fazer adaptações [...], mas porque o conto de fadas foi o melhor gênero literário que encontrei para expressar o que pretendia dizer".[i]

Sou suspeita para afirmar qualquer coisa a respeito da grande maravilha que é ter C.S. Lewis e toda a sua obra ao meu lado, ao lado de Jesus. Sinto-me privilegiada por isso, e muito grata a Deus. A forma que as Crônicas de Nárnia foram tomando ao momento que foram sendo escritas, revela, pelo menos a mim, a grandiosa mente de Deus. Deus é um ser extremamente criativo, Jesus era um contador de histórias e ter isso a nosso favor é ter a oportunidade de navegar os mares da imaginação.

Sendo assim, para finalizar esse minúsculo texto, o primeiro de alguns que viram se Deus quiser e eu me esforçar, uso novamente as palavras do Pastor Glauco: Devemos, pois, cingir os lombos com a verdade. Na Bíblia a palavra lombo simboliza fertilidade e, nessa citação, ela remete à fertilidade da mente. Deus não condena, portanto, a imaginação criativa no campo religioso, afinal ela consiste num dos traços da imagem e semelhança que temos com aquele que fez o céu e a terra. [...]. O importante é que nossa imaginação esteja cingida com a verdade, isto é, comprometida com o evangelho. [...]. A imaginação é, portanto, uma faculdade que faz parte do tudo que há em nós que deve glorificar e bendizer ao Senhor.

Com prazer,

Julie F. de Pádua

17.07.09 – 17h52


[i] W. HOOPER, Letters of C.S. Lewis, p. 444.

Animacoes GRATUITAS para seu e-mail – do IncrediMail! Clique aqui!

terça-feira, 28 de julho de 2009

Onde estão fixados os teus olhos

 
 
Segue aí para quem quiser receber uma palavra!
esse texto recebi em 27 de março de 2006 !! e estava arquivado no meu e-mail. Resgatei ele para nos abençoar !!
Abraços
Julie de Pádua
 
 
----- Original Message -----
Sent: Saturday, May 27, 2006 10:11 AM
Subject: Onde estão fixados os teus olhos

Onde estão fixados os teus olhos

"Se os teus olhos forem bons, teu corpo terá luz..."

Muitas vezes as circunstâncias deste mundo nos levam a pensar que somos fracos e incapazes. Então enchemos o nosso coração de tristeza e desânimo, o que nos faz acomodar e sofrer muito. As conseqüências são as mais diversas, pessoas sofrendo de depressão, decepcionadas com a vida e com todos, fracassadas na vida profissional, ministerial e sentimental. Mas, pior é quando essas pessoas se afastam dos caminhos do Senhor.Este é um problema real na vida de muitos cristãos.Quantas pessoas já viveram a plenitude dos caminhos do Senhor e se desviaram por se mostrarem fracas nos momentos de adversidade? 

Como podemos então, enfrentar as dificuldades do dia a dia sem perder a visão e a esperança? 
1 - Devemos nos perguntar: Aonde estão fixados os meus olhos? 

Os olhos do homem devem estar focados em Deus, o único que pode resolver qualquer situação. Vejo muitas pessoas olhando somente para as circunstâncias, onde está Deus? Ficam de um lado para o outro dizendo: O que vou fazer para resolver, isso? O que vou fazer para pagar aquela dívida? Ainda enfermos, murmuram: Quando vou sair dessa cama? Ou então, Por que nada de bom acontece em minha vida? 

O erro de muitos é pensar que Deus abandona seus filhos. O Senhor não nos deixa, é preciso ter a compreensão que somos nós que nos afastamos do Senhor a partir do momento em que não nos dispomos a viver segundo o coração do Pai e pecamos. 

Em I Pe 3:12 está escrito: "Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males", Deus é Pai e nunca falhará, devemos descansar nele e esperar que seja cumprida a vontade dele que é perfeita. 
2 - Devemos orar e vigiar.
As pessoas precisam ter uma vida de oração mais intensa. Vejo muitos crentes reclamando da vida, mas muitos deles não oram como deveriam. Precisamos compreender que muitas coisas poderiam ser evitadas se orássemos mais. Quando falo de oração quero expressar qualidade, não adianta orar por horas a finco se não oramos com o coração quebrantado, comprometido no arrependimento e na verdade. Jesus nos fala em Lc 11: 9-10: "Por isso, vos digo: Pedi, e dar-se-vos á; buscai, e achareis; batei, e abri-se-vos á. Pois todo aquele que o pede recebe; o que busca encontra e a quem bate, abri-se-lhe-á". O Senhor está sempre disposto a nos ouvir e abençoar. 

Vigiar também é importante, devemos estar sempre atentos ao nosso redor para não sermos iludidos e enganados pelas armadilhas do inimigo. Os nossos olhos e ouvidos têm de estar sensíveis ao chamado do Senhor, para que possamos ver e ouvir a instrução que Ele tem para nós. A passagem de Lc 11:35 diz: "Repara, pois, que a luz que há em ti não sejam trevas". Irmãos vigiem para que continuemos a andar no caminho reto. 
3 - Outra dica é ter fé e perseverar.
A fé é algo extremamente importante para andarmos com o Senhor. No livro de Hebreus fala que "de fato, sem fé é impossível agradar a Deus"(Hb 11:6). A Igreja de Cristo precisa ter fé, pois é ela que vai nos dar a convicção das coisas que não vemos. Homens como Abraão, Noé, Enoque e Moisés, por exemplo, foram vitoriosos por que tiveram fé e perseveraram na obra do Senhor. Isso é totalmente acessível a nós. Deus também nos sustentará como fez com esses importantes homens. "Não abandoneis, portanto, a vossa confiança, ela tem grande galardão", (Hb10:35). "Porque, ainda dentro de pouco tempo, aquele que vem virá e não tardará; todavia, o meu justo viverá pela fé e: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma", (Hb 10:37-38). Irmão tenha fé e persevere, pois, não precisamos ver e sim crer, porque Deus é poderoso e fiel para fazer muito mais além do que pedimos ou pensamos. 
4 - Temos que ler a Bíblia.
O crente perde muito por não conhecer bem a palavra de Deus. Devemos orar e meditar na palavra do Senhor, pois ela é a própria voz de Deus nos ensinando como caminhar. Ela nos sustenta em situações adversas, lembro-me de muitos momentos difíceis que passei, mas quando recorria à palavra Deus a usava para trazer discernimento e sabedoria à minha vida. 

Todas as questões acima nos ajudam em nossa caminhada com Deus. Ele sempre nos sustentará e mesmo quando as coisas parecerem impossíveis de se resolver o Senhor com amor e misericórdia nos sustentará. Não devemos nunca desistir pois o Senhor é a nossa esperança.

 
Animacoes GRATUITAS para seu e-mail – do IncrediMail! Clique aqui!

quinta-feira, 16 de julho de 2009

A espiral do vôo da borboleta

O baile se bailava sozinho enquanto ela pensava. E pensava. Pensava lá e cá, feito uma adolescente que talvez jamais tenha sido, tentando decidir se iria ou não. E ele a convidou para dançar. Não era um príncipe. O que importava? Ergueu-se um pouco aflita, sem jeito em sua magreza, ainda naquela dúvida que lhe balançava a alma. Ora, é pouca coisa, só uma dança. E foi. Rodopiando sem graça em seu vestido lilás. Então se arriscou nas palavras: e disse palavras proibidas no ouvido de seu par. Disse assim bem depressa pra se envergonhar depois. E ele não se fez de rogado e apertou os quadris ossudos da dançarina indiscreta. Ele, homem. Ela, frágil. Corando como fazia tempo não sabia corar. E balançando o corpo num balanço tímido. Pensando com certa graça: velha também pode dançar. Ele de aliança no dedo. Casado. Mais proibido, mais vontade, e ela bem queria lembrar se ainda sabia mexer os quadris. Se ainda sabia fazer. Sabia. Ele queria se divertir e não se perdia em pudores. Prendia o corpo no dela, levou-a prum outro lugar. Ela sabia que aquilo era feio, muito feio, e por isso mesmo achava bonito de doer. Fosse ele mais atento teria notado no riso dela a melodia silenciosa de um vôo de borboleta, em espirais apressadas e coloridas, uma juventude fêmea. Sorte dela que ele não notou. Ou teria ele se apaixonado pelas espirais infinitas da juventude tardia e a convidaria para mais que um vôo. Ela, então, na pressa de aceitar o amor fácil, não teria tempo de aproveitar a tão recente solidão que lhe crescia e à qual, pouco a pouco, afeiçoava-se. Não saberia, então, a borboleta que era. Por isso foi tão feliz na dor da despedida. Sabia: nada mais que uma noite. O resto do tempo era dela. Inteiramente dela. “Velha, pois sim. De tanto tempo de vida, sou mais menina que antes.” E foi-se em espiral no vôo do riso livre. Borboleta.

por Carla Jaia

http://ebooksgratis.com.br/informacao-e-cultura/fragmentos-poeticos/fragmentos-poeticos-a-espiral-do-voo-da-borboleta/



um vídeo que não é sobre esse texto, mas tem algo a ver.