terça-feira, 27 de abril de 2010

hoje...nada a dizer a não ser...

Madrugada
Pensando na vida, diante de algo grande...
Preocupações? Largo na mão de Deus, vou dormir pois sei que Ele cuida de mim...
Obrigada Jesus

terça-feira, 20 de abril de 2010

Carta de Saudade


Carta de Saudade


Desde que dormiu o sono frio da morte,procuro vida em tudo que me lembra você.Seus olhos se fecharam,mas ainda procuro seu olhar.Não ouço mais sua voz,mas ainda refresco meu coração nas suas palavras.Ah!...seu sorriso,como dói não vê-lo mais,como amargura-me a alma o convencimento racional de que nunca mais o verei nesta vida.Suas brincadeiras,seus sonhos,seus gestos,seus tons,sinto saudade de cada pequeno detalhe da sua existência,até sua teimosia me faz falta,até suas ironias ,que irritavam minha mente inquieta de irmã,hoje me fazem chorar por não existirem mais.
Sinto saudade de você ,como a terra seca sente falta da água.
Procuro nos vivos resquícios de você.Busco entre as pessoas, anônimas e distraídas,as características que tanto me fazem falta.Procuro ,em cada pessoa amada,você e seu amor.Procuro em cada amigo.sua amizade;em cada livro suas palavras;em cada filme sua história;em cada musica sua melodia.Procuro em cada dia um refrigério;em cada pôr do sol um motivo para não desistir;em cada abraço procuro força pra suportar sua ausência.Procuro em cada lágrima alivio para o meu coração;em cada sonho,uma viagem para perto de você e sofro ao ver que não é real.Procuro vida em todos aqueles que amo.mas morro todos os dias para que o amor deles me ressuscite.Não digo que perdi a esperança,apenas adormece dentro de mim.Não digo que perdi a vontade de viver,apenas enfraqueceu ,em mim,o brilho da existência.Sei que sofrer,chorar e lamentar é totalmente inútil,sofrer é um privilégio dos vivos,todos os vivos sofrem;lágrimas não passam de água e sais;lamentos são esconderijos dos pobres de espirito .Então decidi respirar,e no fôlego que me foi dado por Deus,tenho caminhado até que Ele decida nos unir novamente.
Enquanto isso vou carregando você no meu pensamento,e mantendo-o vivo em todos que amo e ainda tenho.


(Hellen C F Mendes/01/02/2009)
 

Por que escrevo?

Amodoro quando encontro um blog legal, mas quando olho a data da última postagem e vejo que se passaram meses e até anos, dá vontade de xingar a criatura!! Pô teve a coragem de criar um blog maneiro e ao mesmo tempo o desrespeito de abandoná-lo!!! O que que está pensando um cara desses??? E hoje eu tive o desprazer de verificar que a última postagem do meu blog foi dia 27 de janeiro... AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!
Como eu pude?????  
Que falta de ética !! Não sou digna de ter o título de blogueira!! Eu sei que meu blog não é muito lido na net, mas a verdade é que eu não escrevo para ser lida, eu escrevo porque gosto, e quando alguém lê, eu tomo como presente! Sendo assim, se tem alguém lendo esse texto agora, uau ! Que lindo !! A D O R O !!! Obrigada mesmo!

Achei agora na net um pensamento:

"Escrever. Por que escrevo? Escrevo para criar um espaço habitável da minha necessidade, do que me oprime, do que é difícil e excessivo. Escrevo porque o encantamento e a maravilha são verdade e a sua sedução é mais forte do que eu. Escrevo porque o erro, a degradação e a injustiça não devem ter razão. Escrevo para tornar possível a realidade, os lugares, tempos que esperam que a minha escrita os desperte do seu modo confuso de serem. E para evocar e fixar o percurso que realizei, as terras, gentes e tudo o que vivi e que só na escrita eu posso reconhecer, por nela recuperarem a sua essencialidade, a sua verdade emotiva, que é a primeira e a última que nos liga ao mundo. Escrevo para tornar visível o mistério das coisas. Escrevo para ser. Escrevo sem razão."

Vergílio Ferreira, in "Pensar"

Fonte: http://citador.weblog.com.pt/arquivo/027049.html acessado ás 21h35 - 20.04.10


Achei muito legal esse pensamento. Eu escrevo também porque quero deixar registrado os caminhos do meu coração, penso ser essa a palavra, caminhos... Quantos caminhos passamos ao longo da nossa vida? A memória não pode guardar tudo, mas a palavra é o registro eterno... por isso escrevo, para vomitar o intragavél, para eternizar a dor, celebrar o amor, encantar o leitor. 
Julie de Pádua