quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Como fazer literatura com bons sentimentos?

Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos...
Nelson Rodrigues.

Como cheguei a esta frase? Isso importa? Não é claro que não. Estou em busca de saber o que as pessoas gostam de ler, o que as fazem parar diante de um blog e ler o que uma pessoa desconhecida, sem dinheiro e sem fama tem a dizer. E acho que cheguei a uma resposta: porcaria, bobagens, piadas idiotas, fanfics bestas, sexo. Sim ! é isso que as pessoas gostam de ler. Por isso que a frase de NR tem tudo a ver com meu pensamento. Como fazer literatura com bons sentimentos? 

Aí é que me ferro. Não vou escrever um palavrão só porque você gosta de ler. E por falar nisso eu me lembro que algumas semanas atrás eu perdi a cabeça e xinguei muito no facebook, motivo? Reeleição da Dilma. Escrevi horrores e palavrões feios e me surpreendi do tanto de curtidas que houve, cheguei a ser cumprimentada pessoalmente por algumas pessoas. Que absurdo.

Falar sobre sexo? afff... estão de fato lendo a pessoa errada. Sou casada, é óbvio que faço sexo com meu marido, e não vou escrever o que acontece apenas para ter leitores. Leitor é melhor que moral? Prefiro não responder.

Talvez aí esteja um outro problema, tenho sim receio de "mandar ver aqui" no blog e ser vista com  maus olhos. Quero apenas ser uma escritora! Não sei fazer piada,mas tenho senso de humor, escrever fanfic? Acho muito legal, até tenho uma escrita que ainda vou publicar aqui, megaaaaa adolescente, mas acho que está valendo. Escrever porcarias e bobagens? Isso depende do ponto de vista de cada pessoa.

Percebi também que os blogs de moda, viagem, beleza e culinária são muito lidos, mas não tenho interesse em nenhum destes assuntos. Mas não vou desistir. Gostaria sim que meu blog fosse lido e admirado, quero ser reconhecida como uma escritora, assumo 100% da responsabilidade sobre isso, e um dia eu chego lá ! Um dia eu acho meu rumo!

Julie F. de Pádua Romão
18/12/2014


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

O emprego que mudou minha vida



(Mil e quarenta e sete dias), (cento e cinquenta semanas), (trinta e quatro meses), esse foi o tempo em que passei na ABC Vida. Quando comecei a trabalhar lá eu era uma mulher de vinte e nove anos, solteira, formada, uma pessoa extremamente  chateada com a vida e com uma série de pessoas. Mas como a vida não para, lá foi eu tentar coisas novas.

Ao iniciar meu trabalho lá, eu não tinha noção do que era o tal do programa de aprendizagem, e aos poucos fui compreendendo. Muitas coisas dentro da minha profissão mudaram: a forma de ministrar e preparar aulas, o conteúdo também mudou de uma forma significativa. Não senti dificuldade alguma em dar aulas de quatro horas seguidas para a mesma turma. Nisso encontrei um mundo novo e cheio de possibilidades. Descobri uma nova paixão: produzir conteúdo.

Cada vez eu curtia mais o planejamento de aulas. Mas nem tudo são flores, encontrei também dificuldades no dia a dia dentro de sala de aula: motivar aprendizes, incentivar, ensinar, corrigir. Travei duras batalhas com o tal do boné, sonecas, fone e celular, mas 98% eu venci. Minha lembrança sobre os dois anos e alguns meses de sala de aula são as melhores possíveis, aquelas das quais não vale a pena guardar, evito pensar. Eu me diverti demais em sala de aula, vivi momentos esplêndidos com inúmeros aprendizes, alguns desses estarão eternamente em meu coração. Entre tantos não posso deixar de citar algumas turmas: AOPEM 7, A17, A22, AM1 (a 1ª formação), CEF JR1, CEF JR2 e TF 50. Eu cito a turma porque todo o tempo que estive ensinando-os o envolvimento foi geral com todos da turma. Fora essas turmas houve muitos aprendizes espalhados por todas as turmas (AOPEM 4, AOPEM 5, AOPEM 6, A15,A16,A18,A19,A20,A21,A23,A24,A25, 4ADM AE 1,2 manhã e tarde, 6ADM AE 1,2,3, AL 1, AM1 (modular), CEF 01, CEF02,CEF03, CEF 04, CEF JR 3, CEF JR4, CEF JR5/6, CEF JR 7/9, CEF JR8/10, as turmas da FAS 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32, 33, 34, 35, 36, 37, 38, 39, 40, 41, 42, 43, 44, 45, 46, 47, 48, 49, 51, 52, 53, 54, 55, 56, 57, 58, 59, 60, 61, 62, 63, 64, 65, 66, 67, 68, 69, 70, 71, 72, 73, 74, 75, 76, 77, 78, 79, 80, 81) que me conquistaram, se pudesse citaria o nome de cada um deles.

Trabalhar na ABC Vida trouxe muitas coisas boas e meu marido é a melhor delas. Quem me conhece há tempo sabe o quanto eu sofri por ver passar os anos e eu não conseguia alguém bacana para construir uma família. Mas Deus me deu durante este tempo de ABC, dentro da ABC.

Após meu casamento pude concentrar ainda mais minhas forças no meu crescimento profissional. Este ano assumi uma função nova, a qual me trouxe muito conhecimento, aprendi que sou capaz de trabalhar de forma monstruosa e lutar pelo que acredito: ensino, e ensino de verdade. Sinceramente, estes últimos meses eu fiz tantas coisas diferentes que nem sou capaz de citá-las. Gerenciar grade de aulas foi a que mais me consumiu tempo e energia. No começo foi fácil, mas quando “a coisa” começou a crescer demais complicou. Não entrarei em detalhes sobre isso porque acredito não ser necessário. Nesse período de grande crescimento eu comecei a perceber muitas coisas sobre minha vida e cheguei a conclusão de que é hora de mudar. E foi o que aconteceu: eu mudei.

Há algo tão imenso dentro de mim que já não há mais espaço para a ABC como organização na
minha vida. É duro para eu escrever isso, mas é a verdade e é uma pena. Sei que muitos, de coração, lamentaram a minha saída, e eu também. Mas o que está por vir é algo tão incrivelmente “massa” que mal posso esperar para ver concretizado. É com muita dor no coração que deixei meu cargo, deixei os aprendizes, deixei pessoas fantásticas. Mas meus sonhos com relação ao ensino de jovens e adolescentes é tão maravilhoso que tudo isso vai valer a pena, eu sei que vai.

E assim acaba minha história com o emprego que mudou minha vida, em todos os sentidos. Foi muito bom, muito bom mesmo! Tudo que é bom um dia acaba e abre espaço para coisas extremamente boas. E assim será porque o que há em mim é bem maior do que o que há no mundo, e comigo neste sonho, vem meu Deus e este é muito grande. Hoje, dia vinte e oito de novembro de dois mil e quatorze foi meu último dia como funcionária da ABC VIDA, sou grata a todos por tudo. Passei muitos momentos bons na ABC Vida e coloquei muitas fotos logo abaixo para provar isso. As fotos são de vários momentos meus na ABC com essas pessoas maravilhosas.

OBRIGADA A CADA UM QUE FEZ PARTE DA MINHA VIDA NA ABC VIDA !!

Um grande abraço em todos e nos vemos por aí.
Julie F. de Pádua Romão

Novembro/2014