sábado, 17 de dezembro de 2016

Contagem

Dobrou 565 vezes
choro, dor,  desespero, clamor
adoração, palavra, súplica,
sonhos, imaginação, visão
Dobrou 565 vezes:
a mão
pequena nuvem,
vai chover.
Vai chover.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Citação Schuwalbe

"...vou ver a montagem de Romeu e Julieta de Mark Morris. São três horas, e sei que provavelmente não vou estar me sentindo em condições, mas se é para eu me sentir péssima, prefiro me sentir péssima vendo alguma coisa maravilhosa, em vez de ficar sentada em casa, olhando para a parede"

Sra. Schwalbe - Doente de câncer
Biografia - Livro: O clube do livro do fim da vida

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Diário 15.12.16

Tantas coisas para registrar neste diário,  vamos lá. Hoje,  quinze de dezembro  de dois mil e dezesseis,  fui ao culto na ⛪ Quadrangular do Pilarzinho e lá ouvi algo que não é  novidade, mas sempre me toca: Deus tem um projeto na minha vida.  O pregador falou sobre Abrão e sobre o momento que Deus o mandou sair da sua casa para ir aonde Deus queria,  porém até Abraão saber que lugar seria esse muita coisa rolou. O pregador comentou que Deus só revelou o lugar depois que Ló foi embora, ou seja,  algumas coisas precisam ser deixadas para trás para que possamos saber aonde Deus que nos levar. Hábitos, sentimentos,  coisas,  lugares ou pessoas precisam ser deixadas pra trás. Preciso e vou pensar sobre isso e principalmente orar a respeito.

Dia vinte e quatro de março de março de dois mil e dezesseis eu comecei a trabalhar no Colégio Santo 😇 como responsável de turma. Nossa! Como foi difícil aceitar esse trampo e aguentar tantos meses lá! Por várias vezes eu fechei meus 👀 e clamei a Deus que me tirasse de lá  e no dia dois de dezembro de dois mil e dezesseis ele fez isso. Finalmente posso ter paz no meu espírito. Eu precisei aceitar esse trampo pois estava há dez meses sem trampo formal, apenas fazendo bico e não estava mais dando pra se manter e havia muitas contas.  Fui indicada pela Izabelle e não pude recusar. Mas agora acabou,  não tenho contas pra pagar e está tudo certo com relação a isso. 

Desse dia até hoje dia quinze de dezembro precisei comprar um celular novo, está certo que foi no cartão de crédito do meu pai, mas é um gasto. Aí meu notebook parou de novo de funcionar, já é o segundo cabo que compro pra ele e não dura muito. A Pitoca ficou doente da coluna  e do intestino, lá se foi mais um gasto. Então eu vejo que coisas boas e ruins estão acontecendo,  mas a vida é isso mesmo!

Estou muito confiante de que em 2017 algo maravilhoso irá acontecer na minha vida profissional. Em 2007 eu comecei minha faculdade de Letras e foi algo maravilhoso, divisor de águas na minha vida e sei que 2017 também será! O curso da minha vida vai sim mudar!

O Kelvin está bem no emprego dele,  estamos com saúde, nossos pais e familiares estão bem. Então estou grata a Deus por estar cuidando de nós.

Quero também registrar que hoje fui fazer minha primeira oficina literária na Biblioteca Pública do Paraná com o escritor Marcelino Freire.  Não o conhecia até então é gostei muito dele e tudo o que disse. Percebi o quanto realmente gosto de literatura e letras.

Então é isso por hoje.




☕ da 🌅 15.12.16

Perdão é dar amor onde não há motivo para dar.

Bem aventurados os misericordiosos, pois alcançaram misericórdia. Mateus 5.7

Dar amor é algo que a humanidade não sabe fazer. Vivemos num mundo bravo,  triste, hostil, cansativo e inúmeros outros adjetivos. Mas a grande coisa disso tudo é: posso fazer a diferença? Sim,  mas com muito esforço, muita oração, muita entrega, muita leitura da Bíblia. Sim,  há um alto preço. Deus procura por pessoas dispostas a tudo isso,  pois a recompensa virá,  mas receio que não seja neste mundo e sim no vindouro. Vamos nessa?

Por
Julie de Pádua Romão

sábado, 10 de dezembro de 2016

A Sombra do Vento

Quem nunca se encontrou dentro de um livro? Quem nunca se deparou, durante a leitura de um livro, com uma frase que pá! Define tudo o que se sente e pensa?
Só quem não lê mesmo.
A propósito, sou a chata dos livros mesmo, terminei de ler, domingo, "A Sombra do Vento", um livro maravilhoso que acabou se tornando o melhor livro que li este ano, até agora né. Super recomendo. Ganhei esse livro de uma pessoa muito querida chamada Vica, Viviane Canani, não sei por onde anda essa gaúcha que infelizmente acabou ficando acamada e enfim, preciso ter noticias dela. Ela me deu esse presente em 2008, quando trabalhei para ela na Claro e fui ler só agora. Fica a dica de leitura e meu muito obrigada Vica por essa experiência, espero que esteja bem!

Pensamentos

Julie Pádua Romão  sentindo-se pensativa.
Sabe, no fundo, bem no fundo a gente sabe que poucas coisas realmente valem a pena. Esforce-se um pouco mais para observar o que você precisa descobrir sobre você mesmo e assim dar sentido à sua vida. De fato fazer com mais frequência coisas que te deixam feliz e que faz a sua vida ter um significado.

Oração de devocional

Pai, ajude-me a entender o que significa ser sua filha. Encha-me de coragem para seguir os passos de Jesus aonde quer que ele vá, sabendo que no final de tudo o Senhor me levará para casa.


CDM - Planos para 2017 - 10.12.16

Café da manhã para quem tem fome de Deus:
"É a meta que desenvolve o plano;
é o plano que define a ação;
é a ação que leva ao resultado;
é o resultado que traz o sucesso." (Shad Helmesetter)
"Sempre quis ser alguém, mas deveria ter sido mais específica." (Lily Tomlin)
*****Escreva seus planos no projeto de vida 2017 e trabalhe para colocá-los em prática.
"Olhar para o alto não é suficiente, precisamos subir" (D. Meroff)
" Pai, ajuda-me a elaborar metas que glorifiquem o teu nome. Eleva-me ao nível de uma vida de excelência. Em teu nome Jesus, amém."
Fonte: Andando com Deus - devocional

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Só livros, ok?

8 h próximo a Curitiba 

Deu-me um presente, sim, gostei, não, não vou usar. Comprou numa livraria, graças a Deus, sim, troquei por um livro. Livro que estava ,eu, namorando há algumas semanas. Sério? Não sou difícil de presentear, apenas dê-me livros. Já ganhei inúmeros cremes de mão. Alguém já me viu passando creme nas mãos? Não, não uso. Alguém já me viu lendo? Sim, muitas pessoas. Livros ok? Só livros.


TORTA SALGADA DE SARDINHA



INGREDIENTES

    MASSA:

    • 3 ovos
    • Meia xícara de óleo.
    • 1 xícara de leite
    • 12 colheres (sopa) de farinha de trigo
    • 3 colheres de queijo ralado
    • 1 tablete de caldo de galinha
    • 2 colheres (sopa) de fermento em pó

    RECHEIO:

    • 1 latas de sardinha
    • 1 tomates grande, sem sementes, cortado em cubos
    • Meia cebola bem picadinha
    • Uma lata de milho.
    • Sal e orégano a gosto

    preparo da MASSA:

    Junte todos os ingredientes, menos o fermento em pó, e bata no liquidificador, depois de estar bem homogêneo, misture manualmente o fermento em pó. Coloque a massa em uma forma ou refratário retangular médio, untada com manteiga e polvilhada com farinha de trigo.

    Eu bati na batedeira. Não desmanchou todo o caldo, tirei um pedaço que ficou.

    preparo do rECHEIO:


    1. Esmigalhar como um garfo a sardinha utilizando o seu óleo, juntar a cebola, o tomate e o milho, misturar bem e depois põe sal e orégano a gosto. Depois de tudo bem misturado jogar sobre a massa. 




    2.  








    1. Levar ao forno médio, pré-aquecido, por 30 a 40 minutos, dependendo do forno.


    O meu levou 40 minutos para assar.

    Ficou maravilhoso !!!!

    sábado, 3 de dezembro de 2016

    Perdi o emprego - 02/12/16

    Sabe, dias desses li uma frase no livro "Como eu era antes de você", a frase falava que perder o emprego pode mudar a nossa vida. Bom, no caso dela (Clark, a protagonista da história), mudou mesmo, ela conheceu Will. Um lindo e rico tetraplégico que ela teve que cuidar. Enfim, leiam o livro ou assistam ao filme pra saber. Claro que eu não vou ser babá de nenhum tetraplégico gato e rico, até porque ser babá já deu pra mim neste ano. Mas, sim, perdi o emprego, não estou nenhum pouco chateada, apenas vivi a emoção do momento e fim. Mas eu creio sim que a vida das pessoas mudam muito quando perde um emprego, mas não muda pelo emprego que foi perdido e sim pelo novo que será encontrado. E que venha logo um novo emprego, mas que venha para me fazer feliz e realizada, chega que estresse, chateação, humilhação, raiva, falta de educação e etc. Desejo a mim e a todas as pessoas que perderam seus empregos um novo recomeço e um emprego digno! Bora lá viver o fantástico de nossas vidas !!!



    quarta-feira, 30 de novembro de 2016

    Chapecoense

    Sabe, quero muito escrever algo do fundo do meu coração com relação à morte desses jovens jogadores e dos demais. Mas, poxa, escrever o quê? Que é triste? Lamentável? Trágico? Dramático? Sim, sim, tudo isso. Poxa, pessoas morrem todos os dias, mas não são todos os dias que muitas pessoas morrem juntas ao cair um avião.E o pior, pessoas que possuem uma interligação. O que me vem à mente quando acontece essas situações que tocam o mundo todo é: a morte vem trazer o seu recado, que é: sim, eu vou encontrar a todos. Em momentos ruins da vida, em bons momentos, para pessoas boas ou pessoas más, para os pobres e para o ricos. Não importa, ela virá. A questão a ser refletida é: o que fiz em vida que irá refletir após a minha morte. Ou seja, qual o destino da minha alma? Do meu espírito? A morte de uma pessoa traz o recado para os próximos a elas, a morte de várias pessoas ao mesmo tempo traz um grito! Que possamos ouvi-lo. Que possamos pensar sobre o assunto e procurar salvar a nossa alma. Pois a deles, já foi recolhida.

    Quando começa um romance #1

    Quando começa um romance #1
    Ela mora numa ruazinha estreita. Fica em algum lugar de Porto Alegre. Toma café preto, numa xícara colorida todos os dias, às sete da manhã. Escora seus braços na sacada de seu apartamento, assim pode observar o movimento na pequena rua. Fica alguns minutos reparando em tudo o que há por lá: as portas de entrada para outros apartamentos, gastas pelo tempo, pinturas arranhadas e descascadas, os vasos com plantas expostos no chão, vários tipos, mas não são alegres, são de barro e alguns de plástico, a rua toda parece ser da mesma cor: fria e sem vida.
    Exatamente às sete e dez, todos os dias, ela vê um rapaz passar por ali. Passos apressados, jornal na mão, às vezes um livro. Cabelos curtos, escuros, não é muito alto, nem baixo, pele branca, mas não muito, usa sempre calça jeans, camisa e sapato, não social, aqueles mais casuais. Acha-o muito bonito, todos os dias. Passa decorando o chão, as pedras cinzas, os defeitos, as formas, desviando das poças d'água, parece sempre procurando por algo, olhando atentamente para o chão. Por isso nunca a notou lá, admirando-o. Parece até sentir o cheiro dele, imaginando o toque das mãos, o roçar da barba em sua pele, o beijo quente e macio. Deve ser delicioso.
    Ela fica ali, todos os dias, segurando a xícara com as duas mãos, sonhando com ele e sentindo-se reconfortada com o calor do café. Então, um desses dias em que ela o vê passar, como sempre, sente o coração acelerar, aquele friozinho na boca do estômago. Em segundos ela imagina sua vida sendo envolvida na dele, perdida em suas visões, não percebe quando a ponta esquerda da grade da sacada escapa da parede. Ela dá um impulso para frente, sua xícara cai, quebra logo atrás do rapaz. Ele ouve o barulho, volta-se, olha para a xícara quebrada, olha para cima procurando o motivo, encontra Anabelle equilibrando o corpo e jogando-se para trás, assustado ele corre na intenção de se colocar abaixo da sacada, mas ela consegue se segurar no limiar da porta, então ele ouve:
    Moça! Tudo bem aí? Ela não responde, apenas observa-o.

    Ele, parado, aguarda a resposta.
    Moça, tudo bem aí?
    Sim, tudo bem, obrigada.
    Precisa de alguma ajuda?
    Ela fica muda novamente, o pensamento confuso.
    Sim, acho que sim, mas só para concertar a sacada, eu estou bem, não foi nada.
    Certo, qual seu nome?
    Anabelle.
    Oi Anabelle, sou William, estou indo para o trabalho e não posso te ajudar agora, mas tudo bem pra você se eu passar na volta?
    Sim, acho que tudo bem.
    Preciso ir agora, certo? Passo por volta das cinco.
    Ah, sim, claro, obrigada.
    Mantenha-se viva até lá, combinado?
    Anabelle sorri.
    Claro, manter-se viva, sim, lógico. Até logo.

    Anabelle desce, recolhe o que sobrou da xícara, envolve os cacos com folhas de jornal, joga na lixeira que fica abaixo da sua sacada. Encosta-se na parede ao lado, sente-se meio boba, sem entender o que aconteceu. 
    Repassa a cena diversas vezes no pensamento. Fica só repetindo a cena em que ele oferece ajuda: precisa de alguma ajuda? Precisa de alguma ajuda?
    Sim, ela precisa de ajuda, não só com a sacada, mas com a própria vida.
    Repete baixinho, num sussurro: William, William, William.


    http://gambiarraliteraria.blogspot.com.br/2010/08/exercicio-de-criacao-1.html


    Modificado 16/12/16